17.1.10

com amor.

um teclado normal, cabelos longos mas apanhados com um lápis castanho de carvão, um olhar nostálgico, um telemovel a vibrar, uma música a tocar e uma mesa que apoia braços. uma inspiração súbita. os dias passam, cada vez mais rápido. e eu continuo sempre aqui no mesmo lugar. e todas as vezes eu me lembro, que nada existe porque tu não existes. seriam precisas muitas palavras para te dizer o quanto esta tua falta magoa e fere de forma tão profunda. eu nunca sou capaz de dizer "amo-te" sem depois dizer o teu nome. não consigo adormecer sem te mandar um beijo.
e hoje eu vou voltar aquela casa perdida entre vales, vou voltar a sentar-me naquele muro de centimetros que levou tantas vezes connosco em cima e vou correr por aquele campo onde juntos já deliciamos a erva que o preenchia de um verde inconfundivel.
e amanhão vou amar-te como sempre te tenho amado, pena é que não te possa dizer pelo simples facto de não quereres ouvir.
com amor, da tua princesa.

2 comentários:

  1. talvez um dia queira ouvir e já não haja nada para dizer .
    gosto do texto (:

    ResponderEliminar

ohh muito obrigada dsd já por me visitars, mas um especial agradecimento por deixares a tua opiniao :) beijinho