3.8.10

despedida, parte I

está-se acabar. sentada sobre esta base, espalho saudade em rastos de papel gasto pela caneta cansada de tanto me libertar. fica aqui escrito, palavras sem sentido, perdidas sem noção do quão esmagadoras poderão ser para quem as ler, sem fôlego de tocar no coração, como aqueles escritores que têem o dom de tocar naquele lugar muito fundo a quem decidaram dar o nome de coração. a cada hora que o relógio faz passar é só mais um passo para o nosso desaparecimento total. em momentos pensei baixinho, para mim mesma, de que isto nunca iria ter um verdadeiro fim. julguei ter algo nos braços que furasse a mais pura das eternidades.
mas, esta folha perdida traz consigo toda a mistura das emoções, para que esta despedida seja feita de forma saudável. para além do adeus, haverá um obrigada para agradecer o bem que fez, o amor que ofereceu aos sorrisos,... e para que haja ainda mais amor aos novos sorrisos que poderão surgir.
e num bate asas de mansinho, num voo doce haverá uma caixinha de veludo encarnada para guardar o melhor de todos os momentos passados.
com a crença de que um dia, mais tarde, voltaremos a ser um só para partilhar as lágrimas e os sorrisos despertados. para agarrar a felicidade de braços abertos, e sonhar tão alto ao ponto de levantar os pés do chão sem nunca os ter elevado. sim, a crença continua viva. seremos os únicos a conquistar a eternidade, eu acredito.


a princesa, L.

Sem comentários:

Enviar um comentário

ohh muito obrigada dsd já por me visitars, mas um especial agradecimento por deixares a tua opiniao :) beijinho